Newsletter

Quarta-feira, 26 de Julho de 2017

Documentos-Poesia


Lugar à poesia dos nossos paroquianos e amigos.

JÁ NINGUÉM TE PROCURA?

Só! Como sempre,

Só e despojado.

Mas as esplanadas

chamativas e abrigadas

regurgitam de gente.

E o mar pasma

ao ver o areal

qual estádio superlotado.

Os homens despiram-Te

das vestes do mundo

e deixaram-Te só, pendente da Cruz.

Vivem numa "festa" permanente

sem tempo para pensar

ou deitar contas à vida.

E os velhos vão mirrando nos bancos

dos jardins e as crianças crescem

sem estacas que as amparem no crescer.

M.ª Dores, um dia em 2015

 

A Verdade

É noite na Terra de luto vestida

Molham-se as faces de saudade e dor

Recordam-se as horas, os gestos de amor

Agora que a hora é de despedida.

 

Fazei vosso luto, chorai a partida

Que fazer o luto é sinal de amor

Abrindo Seus braços na cruz o Senhor

Mostrou-nos a porta para a outra Vida

 

A morte redime, é tudo verdade

Lá teremos paz uma paz imensa

É fulgor divino uma luz intensa

É Deus face a face para a Eternidade

M.ª Dores, Novembro 2013-10-24

 

PÁSCOA 2013

Impostos porque tem de ser

Liberdade condicionada

Mercados de usura legalizada mas não moralizada

Multidões famintas de pão e manipuladas na razão

Clamores silenciados porque inoportunos

Um mundo oprimido clama por libertação

Uma passagem impedida sempre mais exigida

Moisés cansado e provado mas sempre suspenso do Alto

Uma Aliança esquecida – Israel – mas sempre renovada – Deus

Uma Terra Prometida que tarda em aparecer

Uma lógica de poder imposta como única

Deus eclipsado pelo ter

Uma humanidade à deriva, cansada e oprimida.

É a páscoa de todas as velharias em todos os tempos,

Uma páscoa que não é libertação, antes opressão e dor.


                  

 Mas aconteceu a Páscoa de Jesus


          Os «bezerros de oiro» deram lugar ao Pai que ama

          A humanidade reencontrou-se

          A esperança assentou arraiais

          A injustiça e a opressão têm prazo

          A Igreja recupera a simplicidade original

          A Aliança Deus/Homem torna-se definitiva

          A lógica do amor substitui a do poder e da força

          A cruz torna-se sinal mais, sinal de amor fiel

          A dor torna-se passageira

          A morte é vencida para sempre

          As palavras dão lugar à Palavra

          Os véus do templo abrem-se e todos acedem ao Santo

          Cristo venceu a morte. Ele ressuscitou. Aleluia!

          É a Páscoa de Jesus a acontecer todos os dias

          Quando o Ter dá lugar ao Ser: Deus e Homem São


A todos os barcelenses, deseja uma Santa Páscoa,

anúncio de uma vitória e testemunho de uma alegria que nos invade,

 O Prior de Barcelos – P. Abílio Cardoso

 

DELFIM DIAS

EMÍLIA FERNANDES DE LEMOS ALVES PINTO

LUIS LAMELA

MARIA

MARIA DAS DORES

OLINDA RIBEIRO

PADRE ABÍLIO CARDOSO - Prior de Barcelos