Passado sangrento não ofusca o futuro?

António Sílvio Couto (Pe)

Por ocasião do centenário do «PCP» emergiram dados e elementos que nos devem fazer refletir.

Assim uma antiga militante e dirigente do dito partido – expulsa em 1988 – reportando-se ao ‘livro negro do comunismo’, editado em 1998, expôs os seguintes números das vítimas da ideologia comunista: «100 milhões de mortos vítimas do comunismo no século XX: China – 65 milhões, URSS – 20 milhões, Camboja – 2 milhões, Coreia do Norte – 2 milhões, África – 1,7 milhões, Afeganistão – 1,5 milhões; Vietname – um milhão; Europa de Leste – um milhão, América Latina – 150 mil»… No contexto (bloco de Leste) soviético houve deportações e genocídio de ucranianos, polacos, tártaros, chechenos, inguches, culaques, moldavos…

Porque há tanto medo de expor esta triste e maléfica realidade? Preconceito, manipulação, confusão ou cobardia? Até onde irá a lavagem vermelha de realidade tão atroz? Como não podemos apresentar estes dados, quando se vê a glorificação de quem matou, só porque não estava de acordo? As vítimas de outros acontecimentos – nazismo, fascismo, tribalismo ou fundamentalismo – e genocídios ofuscam ou servem de vanglória para as conquistas feitas com sangue e atrocidades dos comemorados?

Retomando as palavras supra ditas, vou esmiuçar:

* Do preconceito à manipulação

Vem a ‘talhe de foice’ – que não a do símbolo, mas a expressão popular que significa ‘a propósito’ – contar aqui um pequeno episódio ocorrido com um imigrante ucraniano, quando viu serem colocadas bandeiras a esmo numa avenida, aquando da dita celebração do centenário do «pcp». Saído do carro de repente questionou os que dependuravam as ditas bandeiras/estandartes: não têm vergonha de colocar na rua coisas com essa cor e esse emblema? Sabem o que significa essa cor – vermelha? É o sangue de muitos ucranianos, mortos por essa gente… Esse símbolo é sinal de morte, muita morte… em tantas partes do mundo! Não têm vergonha desses crimes? Os tarefeiros só diziam: é do centenário, é do nosso centenário! Tirem essa porcaria, respeitem a memória de milhões que morreram, mortos por essa gente!

= Será que todos sabem que a cor vermelha/encarnada – sempre me confunde esta distinção regionalista – é mais fruto de morte do que de vitória? Os milhões supra citados pagaram, por vezes, com o sangue e a morte a ousadia de resistir…

= Não lhes pesa na consciência saberem que foram causa de infortúnio para milhões e que atiraram para a miséria milhares com as suas lutas, reivindicações e combates sindicalistas?

* Em confusão ou por cobardia?

Muitos dos ‘crentes’ do partido foram catequizados na benevolência daquilo que lhes era apresentado, mais como discurso heróico do que como leitura da realidade objetiva. É com grande impaciência que não vejo o reconhecimento total ou parcial dos malefícios da ideologia comunista.

É verdade que, enquanto membro e participante da Igreja católica, também reconheço que houve erros, falhas e até crimes em nome da fé. Não esqueço a famigerada ‘Inquisição’ – sistema jurídico-espiritual de combate à heresia, à blasfémia e à bruxaria, a partir do século doze… em Portugal esteve em vigor de 1536 até 1821 – com os seus métodos, argumentos e consequências. Não podemos ainda esquecer as ‘cruzadas’ ou o processo dos ‘descobrimentos’ e a imposição dos interesses colonizadores, a escravatura… e tantas outras situações onde a propósito da fé se derramou sangue e, tantas vezes, se causou morte.

No contexto do jubileu do ano 2000, a 12 de março, o Papa João Paulo II pediu pública e humildemente perdão pelos pecados da Igreja ao longo da história da Humanidade, reconhecendo erros, más opções e até contradições entre fé e vida.

= Por que será que a ideologia comunista nunca teve esta atitude, antes se vangloria, desfradando ao vento sinais de sangue e de morte?

= Embora o pedido de perdão não faça reverter as vidas ceifadas, não será mais honesto e sério intelectualmente reconhecer as falhas do que entrincheirar-se nas certezas dogmáticas desconexas?

ANTÓNIO SÍLVIO COUTO, In DM 15.03.2021


Publicado em 2021-03-24

Notícias relacionadas

«O Estado Novo [ainda] não saiu de Portugal»

Mário Pinto, in Observador - 30 jul 2022

Se as valas comuns eram uma farsa, por que o Papa está pedindo desculpas no Canadá?

Francisco Vêneto - publicado em 26/07/22, in Aleteia

Abusos sexuais, estado de direito e “caça às bruxas”

Pedro Vaz Patto, Presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz

O Estado e o catecismo da religião do género

Senhor ministro da Educação, se não quer ficar na história como o Inquisidor da propaganda de género, desbloqueie este nó górdio por si criado pois tem no Parlamento uma maioria do seu partido.

“Finalmente encontrei um cristão de verdade!”

Isabel Ricardo Pereira, In 7Margens, 6.07.2022

"Direito constitucional" ao aborto?

Jorge Bacelar Gouveia

desenvolvido por aznegocios.pt