O padre não é um brinde

Pe. NUNO ROSÁRIO FERNANDES

Os padres são um dom na Igreja e no mundo, mas não são um brinde de um produto qualquer. São o fruto de uma provocação de Deus na vida de alguém que se deixou moldar pelo Amor, aprendendo a dar a vida todos os dias.

O padre age em representação do Senhor, ou seja, na Pessoa de Cristo Ressuscitado que se faz presente com a sua ação que é realmente eficaz. Isto é, os gestos do padre, na consagração do pão e do vinho e na absolvição dos pecados, são realmente a presença de Jesus Cristo que, na pessoa que realiza tais gestos, Ele torna presente a sua ação.

Assim, o padre é aquele que, pelo dom gratuito que recebeu pelo Sacramento da Ordem, é capaz de tornar presente o sacrifício de Jesus Cristo na mesa do altar; é aquele que, reconhecendo também as suas limitações e fragilidades, é capaz de apresentar o perdão de Deus que cura e liberta. O padre é o pastor que caminha com o seu rebanho, ensinando, cuidando e zelando por ele, dando-lhe o que precisa como alimento para a vida. O padre é aquele que se faz próximo, e coloca-se lado a lado, tantas vezes acolhendo dores, sofrimentos, tristezas, mas partilhando também alegrias, êxitos e felicidades.

Por muitas circunstâncias, o mundo de hoje não facilita o ministério do padre, mas torna-o cada vez mais importante e necessário porque, apesar de aparentemente o mundo rejeitar a presença de Deus, ele mostra-se sedento de uma vida que só Deus lhe pode dar pelo ministério sacerdotal. Embora não o reconhecendo, o mundo procura Deus, e este revela-se no Filho, Jesus Cristo, àqueles que são capazes de se deixar tocar por Ele, aos mais pequeninos, aos humildes, aos que se fazem como crianças. Pela vida e testemunho do padre, Deus pode salvar, mas pelo seu ministério Deus salva verdadeiramente. Hoje em dia fala-se muito de uma Igreja clericalizada que precisa de mudar, mas, sem deixar de concordar que é preciso envolver mais os leigos na Igreja, devo dizer que o ministério sacerdotal não é de maneira nenhuma dispensável.   O padre não é um brinde de um produto qualquer, porque ele é fruto de um trabalho interior que acontece durante toda a sua vida, mas é cuidado de forma especial no tempo de formação em Seminário. O Seminário é o “coração da Diocese”, afirma o Concílio Vaticano II, e nele brotam as sementes que, morrendo, vão germinar em alimento dos famintos, aprendendo o amor, a disponibilidade, a entrega. Neste Domingo termina a Semana dos Seminários que nos convida a olhar para estas casas de formação com a ternura de quem se sente agradecido pelo que delas recebe, e de quem ao mesmo tempo deve ser corresponsável no apoio e comunhão que lhes pode manifestar, seja pela partilha ou pela oração.

In Voz da Verdade, Patriarcado de Lisboa

Editorial, 5.11.2021, pelo P. Nuno Rosário Fernandes, diretor
Publicado em 2021-11-08

Notícias relacionadas

O negacionismo nas escolas

Será normal os conteúdos do cristianismo serem opcionais e os da identidade de género obrigatórios?

Eco – esterelização

Carlos Aguiar Gomes

Introdução ao filho predileto do Demónio

Pelo padre José Júlio Rocha

Influenciadora ateia anuncia conversão ao catolicismo

Francisco Vêneto, In Aleteia 07/12/21

A BURRA DE BALAÃO

Marta Vilas Boas

Oração pela Liberdade

José Maria C.S. André

desenvolvido por aznegocios.pt