O padre não é um brinde

Pe. NUNO ROSÁRIO FERNANDES

Os padres são um dom na Igreja e no mundo, mas não são um brinde de um produto qualquer. São o fruto de uma provocação de Deus na vida de alguém que se deixou moldar pelo Amor, aprendendo a dar a vida todos os dias.

O padre age em representação do Senhor, ou seja, na Pessoa de Cristo Ressuscitado que se faz presente com a sua ação que é realmente eficaz. Isto é, os gestos do padre, na consagração do pão e do vinho e na absolvição dos pecados, são realmente a presença de Jesus Cristo que, na pessoa que realiza tais gestos, Ele torna presente a sua ação.

Assim, o padre é aquele que, pelo dom gratuito que recebeu pelo Sacramento da Ordem, é capaz de tornar presente o sacrifício de Jesus Cristo na mesa do altar; é aquele que, reconhecendo também as suas limitações e fragilidades, é capaz de apresentar o perdão de Deus que cura e liberta. O padre é o pastor que caminha com o seu rebanho, ensinando, cuidando e zelando por ele, dando-lhe o que precisa como alimento para a vida. O padre é aquele que se faz próximo, e coloca-se lado a lado, tantas vezes acolhendo dores, sofrimentos, tristezas, mas partilhando também alegrias, êxitos e felicidades.

Por muitas circunstâncias, o mundo de hoje não facilita o ministério do padre, mas torna-o cada vez mais importante e necessário porque, apesar de aparentemente o mundo rejeitar a presença de Deus, ele mostra-se sedento de uma vida que só Deus lhe pode dar pelo ministério sacerdotal. Embora não o reconhecendo, o mundo procura Deus, e este revela-se no Filho, Jesus Cristo, àqueles que são capazes de se deixar tocar por Ele, aos mais pequeninos, aos humildes, aos que se fazem como crianças. Pela vida e testemunho do padre, Deus pode salvar, mas pelo seu ministério Deus salva verdadeiramente. Hoje em dia fala-se muito de uma Igreja clericalizada que precisa de mudar, mas, sem deixar de concordar que é preciso envolver mais os leigos na Igreja, devo dizer que o ministério sacerdotal não é de maneira nenhuma dispensável.   O padre não é um brinde de um produto qualquer, porque ele é fruto de um trabalho interior que acontece durante toda a sua vida, mas é cuidado de forma especial no tempo de formação em Seminário. O Seminário é o “coração da Diocese”, afirma o Concílio Vaticano II, e nele brotam as sementes que, morrendo, vão germinar em alimento dos famintos, aprendendo o amor, a disponibilidade, a entrega. Neste Domingo termina a Semana dos Seminários que nos convida a olhar para estas casas de formação com a ternura de quem se sente agradecido pelo que delas recebe, e de quem ao mesmo tempo deve ser corresponsável no apoio e comunhão que lhes pode manifestar, seja pela partilha ou pela oração.

In Voz da Verdade, Patriarcado de Lisboa

Editorial, 5.11.2021, pelo P. Nuno Rosário Fernandes, diretor
Publicado em 2021-11-08

Notícias relacionadas

«O Estado Novo [ainda] não saiu de Portugal»

Mário Pinto, in Observador - 30 jul 2022

Se as valas comuns eram uma farsa, por que o Papa está pedindo desculpas no Canadá?

Francisco Vêneto - publicado em 26/07/22, in Aleteia

Abusos sexuais, estado de direito e “caça às bruxas”

Pedro Vaz Patto, Presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz

O Estado e o catecismo da religião do género

Senhor ministro da Educação, se não quer ficar na história como o Inquisidor da propaganda de género, desbloqueie este nó górdio por si criado pois tem no Parlamento uma maioria do seu partido.

“Finalmente encontrei um cristão de verdade!”

Isabel Ricardo Pereira, In 7Margens, 6.07.2022

"Direito constitucional" ao aborto?

Jorge Bacelar Gouveia

desenvolvido por aznegocios.pt