«Diga-se o que se disser, a vida é a coisa mais bela»

Cardeal Tolentino sobre a eutanásia

«O sofrimento humano é uma realidade do percurso pessoal, que pode atingir formas devastadoras, é verdade. Mas o próprio respeito devido ao sofrimento dos outros e ao nosso deve fazer-nos considerar duas coisas: 1) que temos de recorrer aos instrumentos médicos e paliativos ao nosso alcance para minorar a dor; 2) que temos de reconhecer que o sofrimento é vivido de modo diferente quando é acompanhado com amor e agrava-se quando é abandonado à solidão.»

Esta é uma das «10 razões civis contra a eutanásia» que o cardeal José Tolentino Mendonça enumera no seu mais recente texto publicado na “Revista” do semanário “Expresso”.

O responsável pela Biblioteca e Arquivo do Vaticano frisa que as sociedades «têm de se perguntar se já fizeram tudo o que podiam fazer para promover e amparar a vida, sobretudo daqueles que são mais frágeis».

«A vida dos fracos vale tanto como a dos fortes. A vida dos pobres vale o mesmo que a dos poderosos. A vida dos doentes tem um valor idêntico à vida dos saudáveis. Passar a ideia de que há vidas que, em determinadas situações, podem valer menos do que outras é um princípio que conflitua com os valores universais que nos regem», observa.

Perante a «desproteção familiar e social» que muitas pessoas experimentam quando, na iminência da morte, deveriam sentir-se apoiados «pela presença e pelo amor dos seus», a solução «não é avançar para medidas extremas como a eutanásia», mas favorecer «práticas solidárias em vez de deixar correr a indiferença e o descarte».

O primeiro diretor do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura salienta que «os grandes textos civis e sagrados, médicos e filosóficos que são a matriz» da sociedade e formam a «consciência moral» de quem a habita «recordam-no incessantemente».

D. Tolentino Mendonça não duvida da reta consciência das pessoas que, movidas «pelos melhores sentimentos, veem na eutanásia um passo em frente» na civilização, sugerindo-lhes a leitura do conto “A última noite”, de James Salter (ed. Porto Editora).

O texto é publicado a pouco mais de 10 dias da discussão no Parlamento de propostas de lei do PS, Bloco de Esquerda, PAN , PEV e Iniciativa Liberal.

Para contrapor a eventual aprovação, a 20 de fevereiro, de um destes projetos, foi lançada por estes dias uma petição para a realização de um referendo, que conta com as assinaturas do casal Ramalho Eanes e da ex-presidente do PSD, Manuela Ferreira Leite, do presidente da Cáritas, Eugénio Fonseca, do ex-bastonário da Ordem dos Médicos, Germano de Sousa, do historiador Henrique Leitão (prémio Pessoa 2014), do antigo procurador-geral da República, José Souto de Moura, e Walter Osswald, distinguido com o prémio Árvore da Vida-Padre Manuel Antunes, entre outras.

«Concorda que matar outra pessoa a seu pedido ou ajudá-la a suicidar-se deve continuar a ser punível pela lei penal em quaisquer circunstâncias?» é a pergunta proposta para a consulta.

A petição, que está na internet e que vai passar por estádios de futebol, estabelecimentos prisionais, hospitais, escolas e igrejas, somava, na tarde deste domingo, perto de 4100 das 60 milhares de assinaturas necessárias para forçar a Assembleia da República a lançar um referendo de iniciativa popular sobre a eutanásia.

«A entrada da proposta suspenderá o processo legislativo em curso, e o Parlamento cumprirá o seu dever democrático de dar tempo ao povo português para que se pronuncie sobre uma iniciativa que viola valores da Constituição», nomeadamente quando esta declara que «a vida humana e a integridade moral e física das pessoas são invioláveis», assinala a presidente da Federação Portuguesa pela Vida.

Isilda Pegado acrescenta que «os dois maiores partidos com assento na Assembleia não tomaram posição sobre a eutanásia no último ato eleitoral, e, por isso, os deputados não têm legitimidade moral para decidir».

A mesma posição foi assumida pelo arcebispo de Braga, em homilia pronunciada este sábado: «Não podemos permitir que alguns deputados queiram decidir por nós, quando não apresentaram o assunto da eutanásia nos seus programas eleitorais».

«Este problema não é meramente religioso. É civilizacional. A vida é inviolável. Foram necessários muitos séculos até aceitarmos este valor fundamental, este valor que está na base de todos os outros. Não deitemos fora uma conquista de séculos», apelou D: Jorge Ortiga, para quem «os cuidados paliativos são a única resposta para garantir uma morte digna».

«Neste momento concreto, não deixemos de assumir a responsabilidade de exigir uma rede de Cuidados Continuados e Paliativos onde possa ser oferecida uma verdadeira “terapia da dignidade”, e aceitemos, também, o dever de expressar o que sentimos em relação à eutanásia. A morte é digna não quando é provocada, mas quando acontece amparada por todos os cuidados técnicos e afetivos. Amemos a vida e cuidemos da doença», vincou o prelado.

Rui Jorge Martins
Fontes: ExpressoPúblicoArquidiocese de Braga
Imagem: SoniaBonet/Bigstock.com

Publicado em 2020-02-16

Notícias relacionadas

Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura

O solitário adeus dos homens das bênçãos

Carmelitas Descalças de Cádiz

Dez conselhos de uma monja de clausura para viver na “cela” de casa

Não matarás!

P. Nélio Pita, CM

Grande entrevista a Martin Scorsese

«O caminho de Cristo é a única coisa que torna possível a nossa sobrevivência»

Uma boa briga!

Está na altura de ter uma boa briga. Deu-me um fartum.

COMPANHEIROS IMPROVÁVEIS

Homem faz Caminho de Santiago com motorista que quase o matou

desenvolvido por aznegocios.pt