Não nos dará que pensar?

Carlos Aguiar Gomes

1. Domingo, dia 23 de Agosto, na Irlanda, foi ordenado um sacerdote católico (Shane Costello), o único que este ano será ordenado em toda a Irlanda, com 26 dioceses! Que diz a este facto tanto “sábio” pastoralista? Tanta mudança? Tanta “refontalização. O descalabro moral e as infidelidades às promessas de tantos baptizados, que responsabilidade têm? A outrora católica Irlanda está em erosão acelerada total.

Por que será? Não nos dará que pensar?

2. Não nos dará que pensar, também, que em 2019, na Alemanha, mais de 200 000 (duzentos mil) católicos abjuraram da sua fé, um número sempre crescente nos últimos anos? Que se diz desta hecatombe que também tem razões económicas (!)?

Por que será? Não nos dará que pensar?

3. Os chamados “sacramentos sociais”: baptizados, casamentos e funerais católicos estão a diminuir acelerada e constantemente entre nós há já vários anos.

Por que será? Não nos dará que pensar?

4. Já se reparou que naqueles, nos impropriamente chamados “sacramentos sociais” os assistentes e os recipiendários (muitas vezes) não sabem responder ao celebrante nem sabem que posição hão-de tomar durante a celebração?

Por que será? Não nos dará que pensar?

5. Milhares, milhões, de peregrinos católicos, deslocam-se a grandes centros de peregrinação. Vão a locais onde há uma mensagem evangélica. Depois, nos dias de eleições, dão o seu apoio a grupos que advogam e defendem princípios nunca conciliáveis com o Evangelho: a defesa do aborto; a promoção da Eutanásia, a interdição (mais ou menos clara) da liberdade de educação dos filhos por parte dos pais; a destruição do casamento e da Família; a promoção de uma economia devastadora da dignidade humana seja por um capitalismo selvagem seja por uma práxis marxista mais ou menos aberta… “Esta economia mata” (Papa Francisco) já nos demos conta?

Por que será? Não nos dará que pensar?

6. Entre nós, Portugal, não há liberdade no campo da educação. Os pais não podem escolher o género de educação que querem e têm o direito de propiciar aos seus filhos, em igualdade de circunstâncias. O Estado arroga-se o direito, que não tem, de ser o grande e único educador das suas crianças e jovens. Quando os pais escolhem uma escola privada, pagam a educação dos seus filhos duas vezes: pagam a escola que escolheram e pagam para a escola que não querem. Ainda oiço o apelo veemente que S. João Paulo II, Magno, lançou no Sameiro, dia 15 de Maio de 1982 aos pais de Portugal no sentido de tudo fazerem para defender este direito essencial!

Por que será? Não nos dará que pensar?

7. O Parlamento português prepara-se para liberalizar a Eutanásia, com o pretexto da compaixão e do sofrimento como se vivêssemos há cem anos atrás. A sociedade, os eleitores, andam indiferentes. Calados. Vamos deixar que os hospitais passem a ocupar-se a matar, em vez de cumprirem a sua vocação, que é cuidar e curar? E tudo com o nosso dinheiro?

Por que será? Não nos dará que pensar?

8. A propósito da COVID-19 pairam no ar tentativas de nos limitarem a liberdade e de nos “domesticarem”, controlando os nossos passos e invadirem a nossa privacidade. O “big brother” já anda por aí a tentar espiar e controlar o nosso dia-a-dia. Orwell tinha razão. 1984 está aí.

Por que será? Não nos dará que pensar?

Atacam-se governantes, sempre os mesmos, com boas e más razões. Muitos deles até foram eleitos democraticamente. Às vezes que, para muitos dos meus concidadãos, há eleições democráticas boas e outras más. A legalidade será, assim, flutuante e adaptada ao gosto político de cada um. Se o “tipo” é do meu “clube”, tudo é bom. Se não é, tudo é mau. Vejamos o silêncio das “gralhas” que estão sempre contra Bolsonaro ou Trump, mas se calam profundamente com o ditador Xi, o “Grande líder” da Coreia do Norte ou do ditador da Bielorrússia. Mesmo as “gralhas” sinistras se calam, aquelas que se costumam chamar de “esquerda caviar” e a que eu associo as “gralhas das bifanas” ou dos “Jaquinzinhos”. E incomoda-me o silêncio dos outros.

Por que será? Não nos dará que pensar?

A Terra anda mal frequentada! … E os cidadãos não gostam de pensar. Os cristãos também não!

Como cantava o hino da Mocidade Portuguesa, tudo está na mesma: “Levados, levados, sim!”. E muito bem levados nesta onda que nos afunda.

Carlos Aguiar Gomes, In DM 03.09.2020

Publicado em 2020-09-03

Notícias relacionadas

A Bíblia diz que Deus não existe – Acerca da polémica sobre a Carta de S. Paulo aos Efésios

Padre Mário Sousa, coordenador da Comissão da Tradução da Bíblia

A propósito da leitura de São Paulo sobre as mulheres

Nota de esclarecimento da Conferência Episcopal Portuguesa

Só um louco é que tem filhos

Pedro Gomes Sanches

Os Padres não são Atletas Olímpicos!

Padre Miguel Neto, Diocese do Algarve

PARA QUE SERVE A FILOSOFIA AO HOMEM – PARA SABER VIVER OU PARA SABER MORRER?

Fernando Pinheiro

SECRETARIADO NACIONAL DA PASTORAL DA CULTURA

“Nota sobre a supressão geral dos partidos políticos”: Compreender Simone Weil para além do título

desenvolvido por aznegocios.pt