«RECOMEÇAR E RECONSTRUIR»

Pe. Eduardo Ferreira

O título vem da reflexão publicada pela CEP (Conferência Episcopal Portuguesa), agora com a presidência de D. José Ornelas, bispo de Setúbal, no dia 17 de junho. Que sociedade a construir no pósCovid-19, perguntam os bispos, alertando para “uma crise sem paralela que põe a descoberta o perigo de manter pessoas em situação de miséria, como os sem-abrigo, os imigrantes recentes e requerentes de asilo, bem como os habitantes de bairros de lata ainda infelizmente presentes no nosso país”.

Valor inestimável de cada vida humana. Defender a vida humana é o suporte para todas as outras dimensões. Louvamos a tomada de posição do Conselho Nacional da Ordem dos Médicos que, sem equívocos, avisou o parlamento: “não contem connosco para a legalização da eutanásia; temos fundamentos éticos na nossa profissão e o médico serve só para salvar vidas”. Por sua vez, a AJC/Associação de Juristas Católicos refere que é “censurável” que a discussão sobre a eutanásia aconteça em plena pandemia, quando ficou claro que cada vida humana tem um valor inestimável, a vida de um idoso ou de um doente, mesmo que com menor expetativa de anos pela frente.

Somos uma só família humana. E «estamos todos no mesmo barco». Superar esta crise exige uma coesão inédita entre agentes sociais e políticos, cabendo ao Estado um importante papel, mas talvez ainda mais importante seja o da sociedade civil. E nesta sociedade civil estão os cristãos que, com a força da fé vivida e celebrada comunitariamente, partem para o meio do mundo para serem fermento, sempre em atitude de saída missionária.

Globalização da solidariedade. Na partilha há dias feita, por videoconferência, com os coordenadores dos movimentos e obras que têm ligações com a Família Missionária Espiritana, ficou claro que neste tempo de pandemia, em vez de ficar paralisados pela dificuldade em realizar eventos programados, há imensas possibilidades de criatividade missionária; inventar formas de proximidade às pessoas e membros dos grupos, participar em formas de voluntariado a nível local, treinar-se minimamente no uso das novas tecnologias para estar em comunhão, etc…

Se é verdade que esta pandemia nos tem feito redescobrir o valor da vida humana terrena, ela também nos tem feito redescobrir a precaridade dessa vida. Por isso, esta deve ser também uma ocasião para redescobrir Deus, a quem devemos essa vida e que nos chama a partilhar com Ele uma outra Vida, de plenitude e eternidade.

Pe. Eduardo Ferreira, In AÇÃO MISSIONÁRIA julho 2020

Publicado em 2020-09-23

Notícias relacionadas

O que nos distingue

Marta Vilas Boas

Padre, podes baptizar-me?

P. Firmino Cachada

Isolados, contidos, apagados - como a pandemia está a afetar a liturgia

Pe. José Frazão Correia sj

ASSASSINATO LEGALIZADO

Maria Susana Mexia

Não nos dará que pensar?

Carlos Aguiar Gomes

CONDENADA À LIBERDADE

Maria Susana Mexia

desenvolvido por aznegocios.pt