The Social Dilemma

Pe. Rodrigo Lynce de Faria

Recentemente, assisti a um documentário feito pela Netflix que recomendo vivamente: The Social Dilemma.

Este documentário não só reaviva o importante debate sobre os perigos do mau uso das redes sociais, mas também oferece uma abordagem bastante original do tema: manipular as pessoas que utilizam as redes sociais é o fim primário das mesmas.

Isto é dito, com outras palavras, por pessoas que criaram ou trabalharam nessas redes.

A intenção do realizador do documentário, Jeff Orlowski, é bastante clara: mostrar que a manipulação e a adição geradas pelas redes não é um efeito negativo secundário tolerado, mas algo intencional e procurado como modo de ganhar dinheiro.

O verdadeiro produto não é somente o nosso tempo de atenção, mas sim a pequena e quase impercetível mudança no comportamento de cada um de nós.

Este documentário é uma recordação de uma verdade sempre actual: como é fácil para nós, seres humanos, entregar a nossa liberdade em troca de um pouco de distração!

E como podem ser desastrosas as consequências a médio e longo prazo se prescindirmos da nossa liberdade em troca de um pouco de circo!

É verdade que é preciso estarmos atentos àqueles que podem ser mais vulneráveis a essa manipulação: as crianças e os menores de idade. Mas, seria ingénuo pensar que, no caso dos adultos, esse perigo não existe ou é irrelevante.

A propósito disto, estão muito bem tratados no documentário os fenómenos tão actuais e perigosos da polarização e da radicalização. E são fenómenos que afetam muitas pessoas adultas que se consideram “maduras” e “bem informadas”.

O documentário também aborda um tema de grande importância no mundo actual: as fake news!

Se queremos acabar com este abuso da liberdade que é propagar notícias falsas, temos de reconhecer que existe a verdade. A sociedade, desejosa de relativizar toda a informação, não consegue sobreviver a um relativismo total.

Pe. Rodrigo Lynce de Faria, In DM 13.02.2021

Publicado em 2021-02-16

Notícias relacionadas

SECRETARIADO NACIONAL DA PASTORAL DA CULTURA

Sofrer na Igreja é penoso, sofrer por causa da Igreja é terrível

Sem darmos conta…

Carlos Aguiar Gomes

Não ter medo das perguntas

P. Tiago Freitas

Islamização: a mais arcaica das utopias modernas

Fernando Pinheiro

Maçonaria e democracia

Artur Soares

Passado sangrento não ofusca o futuro?

António Sílvio Couto (Pe)

desenvolvido por aznegocios.pt