Igreja: Cartório Paroquial de Barcelos tem portas abertas no coração da cidade para «estar com as pessoas»

Ago 11, 2021 - 11:29

Serviço funciona numa rua movimentada da cidade, há dez anos

Barcelos, 11 ago 2021 (Ecclesia) – O Cartório Paroquial de Barcelos, na Arquidiocese de Braga, funciona há dez anos numa loja, no centro da cidade, com o objetivo de ser “um espaço para estar com as pessoas”, disse à Agência ECCLESIA o padre Abílio Cardoso.

“Eu sentia necessidade de estar próximo das pessoas, a residência paroquial, onde funcionava o cartório, estava fora do local habitual de passagem das pessoas, surgiu uma oportunidade, um prédio que não estava a ser utilizado, inicialmente houve uma cedência e depois adquirimos o prédio e recuperámos”, explica o pároco.

O Cartório Paroquial encontra-se situado na Rua D. António Barroso, número 116, a escassos metros da Igreja Matriz, numa rua pedonal no coração da cidade de Barcelos.

“Todos os dias a porta está aberta e o pároco disponível, há uma organização de trabalho diferente e ali percebemos que é um espaço para estar com as pessoas, e para as pessoas terem uma resposta, sabendo com o que podem contar, a Igreja marca presença para dar a mensagem de Jesus Cristo e é isso que fazemos”, refere o sacerdote.

O pároco de Santa Maria Maior de Barcelos foi-se “habituando ao espaço”, desde 2011, e notou uma grande diferença,

“Aqui as pessoas passam, entram, conversam, pedem alguma coisa, espreitam a montra e suas informações”, destaca o sacerdote, afirmando que se sentiu “no meio do povo de Deus”.

“Considero que há um atendimento normalizado, acessível e eficaz, tenho de destacar ainda que esta situação é o rosto da paróquia acessível e temos uma pessoa jovem, que contratámos para estar neste espaço, o que dá boa presença neste espaço de acolhimento, sendo um primeiro contacto”.

Neste “espaço com dignidade” todos os dias a porta está aberta a par com as lojas de comércio tradicional, “com aceitação e respeito entre todos”, e o entrevistado confirma que “o número de pedidos de atendimento do sacerdote aumentou”. 

“Numa cidade como Barcelos vive-se uma cristandade que passou, mas que está presente, por muito que lutem pelo contrário, as pessoas consideram costumes e tradições sem adesão à pessoa de Jesus Cristo e esse é o grande desafio da Igreja de hoje, para despertar algo mais profundo na fé”, aponta o padre Abílio Cardoso, de 68 anos.

Uma década depois da inauguração, o sacerdote considera que “o cartório já faz parte da cidade” e se tornou normal a sua presença, “a porta da paróquia aberta para todos”, além do boletim paroquial e das redes sociais.

Marília Andrade é o rosto que há mais de dez anos trabalha no Cartório paroquial e assume cada dia como “uma missão”.

“Estou lá para atender as pessoas e fazer todos os trabalhos relacionados com a paróquia, aparece muita gente só para conversar comigo, a maioria são pessoas de mais idade que precisam de companhia, depois outras pessoas para tratar de documentos, seja batismos ou casamentos”, explica à Agência ECCLESIA. 

A colaboradora, natural da freguesia de Carapeços, é ainda “surpreendida” com algumas pessoas que aparecem no Cartório apenas para conhecer a loja. 

“Às vezes, no verão, aparecem emigrantes e entram a perguntar que loja é e também estrangeiros que ficam espantados com o espaço, mas depois há pessoas dali que nem sabem que o cartório existe ali, na rua principal de Barcelos, passam e nem reparam”, lamenta. 

Outra das tarefas de Marília Andrade é a preparação da montra do Cartório Paroquial em cada momento especial do ano litúrgico. 

“Normalmente a montra tem cartazes, avisos, informações, mas também propostas de leitura e, em tempos fortes, como a Quaresma, Páscoa, Advento e Natal preparamos a montra de forma mais alusiva; por exemplo também decorámos quando recebemos a visita da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima”, relata.

O Cartório Paroquial de Barcelos foi inaugurado, em setembro de 2011, pelo arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga, que reconheceu a importância do “espaço para a pastoral hodierna” e considerou que “o tempo que se dedica ao atendimento paroquial não é tempo perdido: é tempo de evangelização! Que tudo seja feito com coração que sabe, exige e acolhe, levando a sério as pessoas e, juntamente com elas, pensar nas respostas”. 

SN

Publicado em 2021-08-16

Notícias relacionadas

BEN-VINDO SENHOR ARCEBISPO

D. José Manuel Garcia Cordeiro

ANO DE S. JOSÉ

Semana de louvores a S. José

ADVENTO E NATAL

Na Paróquia

10 Milhões de Estrelas

Um Gesto Pela Paz

ENCERRAMENTO DO ANO DE S. JOSÉ

Capela de S. José

D. Jorge Ortiga escreve “Carta aos Católicos de Braga”

Texto surge no âmbito da caminhada sinodal.

desenvolvido por aznegocios.pt