EM TEMPOS DE PANDEMIA

MISSA DAS CRUZES 2020 - HOMILIA

Começo por repetir o convite a todos aqueles que nos seguem via web: que significa para nós, hoje, estas palavras do Senhor da Cruz, com que termina o texto de S. João acabado de ler: «Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância»? O que será vida em abundância no actual contexto social e cultural? Terá ainda sentido falar deste desafio que acompanha a história da Humanidade nos últimos 20 séculos? Terá sentido uma cultura amputada de um dos seus referenciais mais representativos, precisamente Jesus, de onde veio o cristianismo que, queiramos ou não, modelou um modo de ser e de estar na maior parte do universo?

Perguntemo-lo a Pedro e ao próprio Jesus:

1.    Pedro é aquele que privou com Jesus, mas, na hora mais difícil, negou-O, traiu-o. Pedro é também o homem que, humilde, chora de arrependimento. Pedro é o homem que faz directamente a experiência do amor do Mestre que, não só não deixa de acreditar nele, como lhe confia o primeiro lugar no Colégio Apostólico. No texto de hoje vemo-lo cheio de coragem a proclamar, alto e bom som, a verdade que fere os ouvintes: «vós matastes o Justo mas Deus ressuscitou-O». E, sem negar os sinais de fragilidade humana, a sua paixão por Jesus vai levá-lo até dar a vida por Ele. Porque recebeu a Vida do Mestre, a tal Vida em abundância, respondeu de igual modo, morrendo por Ele. Pedro provoca o auditório para uma resposta concreta, que surge aberta ao futuro, desejosa de corrigir o passado: «Que havemos de fazer?», perguntam-lhe. E a resposta é a mesma que há séculos a Igreja repete, anunciando um Deus cuja misericórdia é sempre libertação do pecado, que tolhe e encrava a vida de cada pessoa ou sociedade, e convite a seguir em frente: convertei-vos e peça cada um o Baptismo», responde Pedro. «Vida em abundância» para Pedro é então aderir a Jesus, deixar-se possuir por Jesus, centrar toda a sua vida nele, seguir nos passos dele.

2.  Perguntemos agora ao próprio Jesus o que é a «vida em abundância». S. João retoma o tema do Pastor e das ovelhas, já conhecido do Antigo Testamento. Com efeito, já Ezequiel, que viveu exilado na Babilónia e o fim da realeza de Israel. Considerou os antigos reis de Israel como maus pastores, maus condutores do povo. E fala do Senhor como verdadeiro pastor, atento a cada uma das suas ovelhas. Na pastorícia do tempo, os pastores juntavam os seus rebanhos para serem guardados por um pastor durante a noite. E cada um vinha, no dia seguinte, buscar o seu rebanho. As ovelhas, todas juntas no descanso da noite, logo seguem cada uma o seu pastor, que reconhece pela voz. A força da parábola é clara: Jesus é o Pastor próximo, dedicado, cuidadoso dos melhores pastos e reconhecido pelas suas ovelhas. Mas Ele é também a porta do aprisco. Pela porta se entra e se sai. Entra-se para o descanso em segurança; sai-se para buscar o alimento. Nós, os cristãos, definidos como os seguidores de Jesus, passamos sempre por Ele, que é a porta e seguimos atrás dele, em busca do que é o melhor alimento. É dele e com Ele que aprendemos, no contexto tão diversificado da nossa vida ao longo da existência terrena, a acreditar, a esperar, a amar. Ele afirma-se a Vida em abundância e convida-nos a seguir os seus passos: mesmo que eles nos levem ao Calvário, sabemos de antemão, o que vem a seguir: a ressurreição. Este saber de antemão o que nos espera justifica todo o esforço que nos é pedido de uma vida digna, elevada e comprometida no agir responsável. Esta «sabedoria» de viver a partir de Jesus marca a diferença entre uma vida crente, cristã, e outra vida não crente. Esta mais valia evidente, se bem entendida, deveria ser capaz de atrair tantos que se dizem não crentes. A tal «vida em abundância» exige de todos que não nos contentemos com os mínimos. O tempo de pandemia que vivemos, inclusive, põe a nu os nossos estilos de vida, que se contentam com muito pouco, quase só o que se refere ao biológico ou material. Somos mais, muito mais. Somos destinados a níveis bem superiores, como «imagem de Deus» que somos. Pobre cultura aquela que não desperta ideais elevados mas que nos contenta com, o que é cá de baixo. Compreendamos até aqueles que, dizendo-se sem fé, admiram e invejam aqueles que têm fé. E não é para menos.

3.    Uma experiência pessoal marca a minha vida: um grupo de amigos quis convidar-me para um jantar. Foi em Paris. No grupo estava alguém que se dizia ateu. Curioso, logo aceitei a sugestão de um amigo comum. Bem cedo me apercebi do homem inquieto, numa procura honesta e profundo, de um sentido para a vida. Facilmente a conversa se desviava para o tema religioso nos encontros seguintes. E eu confirmava: de facto, Deus seduz, atrai, provoca. Mas facilmente se conjugam demasiados obstáculos, na chamada cultura laicista predominante, para que os inquietos não possam manifestar a sua inquietação profunda. Desses encontros conservo esta ideia: vale a pena dialogar com gente honesta. Aprende-se muito. Evolui-se imenso. Nada fica como antes. Nem para mim nem para ele. E dou graças a Deus por saber hoje o que é dialogar com um ateu confesso mas honesto e sério nas suas procuras interiores. Ao contrário, é desolador «perder tempo» com aqueles que, falando do seu passado religioso, não conseguem evitar traumas não ultrapassados e se mostram cristalizados numa pretensa mas falsa segurança, ufanando-se de uma descrença que, afinal, não lhes traz qualquer segurança.

4.    Olhemos agora para nós, hoje. Que «vida em abundância» encontramos? Ouvimos sempre falar em «qualidade de vida». Parece-me que mais como desejo do que realidade. Desejamos voltar à normalidade. Ouso dizer que a tal «normalidade» do antes da pandemia, eu não a desejo. Seria sinal de nada termos aprendido ou de nos bastar voltar atrás, ao que já experimentamos. Não, eu prefiro seguir em frente, na esperança de que a novidade, que ainda não conheço, será melhor. Porque crente é este o meu desejo, porque alicerçado na confiança de que Deus me atrai sempre para algo de novo, algo mais substancial do que a banalidade em que a minha vida tantas vezes se afunda. Não temos que voltar a essa «normalidade» conhecida em que a «qualidade de vida» se reduz, ou a saúde pública, se reduz ao bem estar físico. O todo da pessoa inclui a dimensão espiritual, a parente pobre da «economia que mata» (Papa Francisco). Espera-se mais desta dolorosa experiência colectiva, marcada, por exemplo, pela solidão afectiva no modo como a morte está a acontecer ou no processo do luto de familiares, reduzido ou mesmo impedido. Marcada também por esta ausência da comunidade com quem se reza e com quem se exprimem alegrias e dores. Marcada por esta pergunta inquietante e insistente: quando abrem as igrejas ou quando é que podemos ir à Missa… «Faz-me tanta falta…», dizia-me ainda ontem alguém que se cruzava comigo. Há também necessidades básicas de ordem espiritual.

5.   A terminar, lembro o convite a celebrar Maria em casa no mês de Maio, com a assinatura do Papa Francisco e do nosso Arcebispo (que sugere um terço de flores em cada casa) e cito as palavras de D. Antonino Dias, bispo de Portalegre/Castelo Branco, bem ajustadas à Festa em honra do Senhor da Cruz, em Dia da Mãe. Diz ele:

Que as crianças nunca fiquem sem resposta na sua curiosidade de saber e aprendam desde pequeninas que todos somos irmãos e devemos dar as mãos em amor e verdade. Cristo morreu em defesa da Verdade. Em honra das mães que sabem falar de Jesus aos seus filhos e dos filhos que gostam de saber e fazem perguntas, recordo o lindo poema de João de Deus, o grande pedagogo e poeta autor da Cartilha Maternal:

 

CRUCIFIXO

Minha mãe, quem é aquele

Pregado naquela cruz?”

- Aquele, filho, é Jesus…

É a santa imagem d’Ele!

E quem é Jesus?” – É Deus!

“E quem é Deus?” – Quem nos cria,

Quem nos dá a luz do dia

E fez a terra e o céu;

E veio ensinar à gente

Que todos somos irmãos

E devemos dar as mãos

Uns aos outros irmamente:

Todo amor, todo bondade!

“E morreu?” – Para mostrar

Que a gente, pela Verdade

Se deve deixar matar”.

 

O Prior de Barcelos - P. Abílio Cardoso

Foto gentilmente cedida por Luís Carvalhido


Publicado em 2020-05-07

Notícias relacionadas

Retomamos as celebrações comunitárias

Seguindo determinações superiores

Nota pastoral na iminência da reabertura das igrejas

Gabinete do Arcebispo Primaz, 21 de Maio de 2020

MONS. MANUEL FERREIRA ARAÚJO

Um ano depois

HOUVE CRUZES, SIM SENHOR

Missa das Cruzes 2020 - Palavras finais

MÊS DE MARIA NA PARÓQUIA

Sugestões para a vivência

FESTA DAS CRUZES

SIM OU NÃO?

desenvolvido por aznegocios.pt