D. Jorge Ortiga pede a

"REVITALIZAÇÃO DE COISAS JÁ ESQUECIDAS"

Na mensagem por ocasião dos Fiéis Defuntos, o Arcebispo Primaz pede “novos hábitos que sublinhem as verdades em que acreditamos”.

O Arcebispo de Braga pede, esta terça-feira, na mensagem por ocasião da celebração dos Fiéis Defuntos, que “o aglomerado de familiares à volta das sepulturas” seja substituído “pela revitalização de coisas já esquecidas” e por “novos hábitos que sublinhem as verdades em que acreditamos”.

D. Jorge Ortiga afirma que a circunstância actual deve ser aproveitada para “reflectirmos mais profundamente” e refere a redescoberta da família “como Igreja doméstica” para falar da oração – como da caridade – como uma forma de “revitalizar” a devoção.

O prelado diz que a ligação aos entes falecidos “passa pela oração, na eucaristia e na vida pessoal e familiar, pelas esmolas e por todas as experiências de caridade” – mais valiosas “que todas as flores, círios ou sepulturas ornamentadas”, alertando também para as “alminhas” que hoje estão abandonadas e que esta é uma oportunidade para as recuperar, “restituindo o significado que sempre tiveram: o convite à oração”.

D. Jorge Ortiga estabelece, na mensagem, o cancelamento das celebrações comunitárias nos cemitérios – assim como relembra a proibição de procissões e romagens –, mas pede aos sacerdotes que, sem aviso prévio, se desloquem aos cemitérios para que, “pessoalmente e como pastores das comunidades, rezem por todas as pessoas falecidas”.

Para o Arcebispo Primaz, todo o mês de Novembro “deveria ser aproveitado para frequentes visitas aos cemitérios”, sempre a evitar os aglomerados, “com a consciencialização de que, com eles, teremos de percorrer um caminho de santidade”.

D. Jorge recordou, também, que a vida “deve ser encarada como um projecto de santidade” e que “estes momentos de alguma anormalidade” devem ajudar a ultrapassar a questão da “preponderância do culto dos mortos sobre a vocação à santidade” que os dois primeiros dias de Novembro “deveriam sublinhar”. Por outras palavras, “celebrar os mortos terá de ser sempre um apelo à santidade”.

Publicado em 2020-10-19

Notícias relacionadas

EQUIPA SÓCIO-CARITATIVA

Peditório

Esclarecimento da CEP

Sobre a celebração do Natal

INFORMAÇÃO IMPORTANTE

NOVOS HORÁRIOS DAS MISSAS DOMINICAIS

Padre Arlindo Torres

8 anos depois

CATEQUESE

INFORMAÇÃO IMPORTANTE

Breve nota da CEP ao documentário “Francisco”

Ecclesia, Out 22, 2020 - 15:33

desenvolvido por aznegocios.pt